Você está visualizando atualmente Raúl Zurita Investido Doutor Honoris Causa Pela UA

Raúl Zurita Investido Doutor Honoris Causa Pela UA

  • Autor do post:
  • Categoria do post:Finança

ao concluir a sua intervenção, o reitor Manuel Palomar deu ao homenageado como novo Doutor Honoris Causa na Universidade de Coimbra. O homenageado definiu a poesia como “o imenso registro de brutalidade e paralelamente o registro não menos grande de compaixão”.

A história da poesia, de acordo com Zurita, é o enorme cadastro da adversidade e dos imensos nomes que tomam as desgraças, Helena, Menelao, Heitor, Andrómaca e as cinzas de seus palácios arrasadas, Auschwitz, Hiroshima, Nagasaki, Iraque ou Gaza.

  • Roubam uma tiara que o rei Carlos II de Inglaterra, deu uma amante
  • Pelo excedente de geração, ou seja, pra retirar a superior criação e formar um capital sustentável
  • 6 Cerimónia de fim
  • Primeira Igreja Metodista Unida de Little Rock, Arkansas—enquanto vivia em Arkansas,
  • 1, A negociação com as AUC
  • dois Grandezas Operacionais
  • Ed. Imago, 1980. Introdução de M. Cazenave

Mas assim como é o registro da compaixão. Palomar adicionou que “o impulso pra internacionalização é uma aposta irrenunciável”. Por ocasião da investidura, da Universidade de Coimbra, por meio do Centro de Estudos ibero-americanos Mario Benedetti, foi organizado um programa completo de atividades englobadas ante o título de Homenagem a Zurita.

Dentro destas visões alguns irão tão remoto como a inverter a ordem sugerida pelo Schweickar: atribuição de fundos necessita ser por todo o caso, a grau lugar. A visão de Mahatma Gandhi -uma ainda mantida pelos proponentes da democracia econômica – era “montar uma nova comunidade em que o esqueleto da antiga”.

Início proveniente do anarquismo clássico e denominado política prefigurativa. A democracia econômica sugere que o defeito central das economias modernas é a diferença entre os preços agregados de o produzido e o valor agregado dos rendimentos. Tal diferença de potência tanto para os produtores como para os consumidores a recorrer ao crédito, a encerramento de produzir e consumir. Do ponto de vista da democracia económica, mais do que uma falta, a diferença entre o produzido e o poder de compra da nação, representa um “dividendo social” que não foi pago. Esse conceito leva ao crédito social, que, como proposta, tenta fazer do melhoramento da comunidade, o propósito do sistema financeiro.

a Partir desse ponto de visão, o crédito deveria ser um serviço público no território de uma dívida aos centros financeiros. O plusvalor social ou comum, reinvertido no desenvolvimento do potencial humano, pode ampliar efetivamente o artefato nacional bruto, ao invés no momento em que, resultando numa economia mais eficiente.